EntrevistasIlustração

Entrevista com Anna Anjos

Ilustração de Anna Anjos

É impossível não gostar das ilustrações de Anna Anjos. Paulistana, 24 anos, formou-se designer pela Belas Artes de São Paulo em 2006. Trabalhou como colorista e designer na Fábrica de Quadrinhos e Hiperquimica, atuando para diversas agências de publicidade do país.

Atualmente trabalhando como ilustradora e designer freelancer, atuando para os mercados editorial e publicitário, Anna já revela os traços de uma artista madura, com um estilo original, fazendo prevalecer sua ousadia artística, inventiva e irreverente. Misturando formas estilizadas, ela extrai elementos do ludismo para incorporá-los em sua realidade de criação, abstrata e surreal, fazendo-nos entrar num espaço original, em que as cores brincam com as formas, sem deixar de lado o vínculo com o mundo real no qual se inspira no seu eu mais profundo.

Essa alquimia de criação nos mostra uma produção bastante especial: personagens puros, que refletem uma ingenuidade em seus corpos, mas que revelam a firmeza de suas personalidades e de suas emoções, através dos seus traços bem definidos, presenteando-nos com ilustrações lindas e fantásticas.

Confira agora a entrevista que Anna Anjos concedeu à De2ign, falando um pouco do seu processo criativo, dos seus trabalhos e algumas dicas para que está começando nessa profissão. Ah, não deixe de baixar os wallpapers exclusivos que ela fez para o nosso site!

Ilustração de Anna Anjos

Conte-nos como você começou a ilustrar profissionalmente.

Eu iniciei de fato minha carreira como ilustradora em meados de 2008, quando me desliguei da produtora na qual trabalhava como colorista e designer, com o objetivo de iniciar minha carreira de ilustradora freelancer, atendendo aos mercados editorial e pulicitário.

Como é seu processo criativo e como você busca inspiração?

Além de desenhar, também sou apaixonada por música, e gosto muito de trabalhar ouvindo um som bacana, porque o trabalho acaba fluindo melhor. A inspiração acontece, ao meu ver, quando há harmonia, sincronismo entre o trabalho que exercemos e nosso estado de espírito. Por isso procuro sempre ter contato com o que, de alguma forma, me dá prazer: uma boa música, um filme interessante ou algum livro que li em algum momento. Também costumo ficar várias horas na internet pesquisando outros portfolios pra aumentar minhas referências.

Ilustração de Anna Anjos

Quais são suas referências para a criação do seu trabalho?

Identifico-me com o surrealismo. O ludismo e o universo onírico estão quase sempre presentes em meus trabalhos, que ultimamente também têm apresentado fortemente um vínculo com o religioso, o místico. Também tenho uma forte referência da música nordestina em meus trabalhos. Isso pode ser percebido inclusive pela predominância de cores quentes em minha paleta cromática.

Você acha que o mercado de ilustração está saturado no Brasil?

Não só saturado, como também desvalorizado. Eu acredito que o profissional, seja ele de qualquer área vale por sua raridade no mercado. Não interessa se você é médico, advogado ou ilustrador: procure ser o melhor no que faz, sempre. O que acontece é que há uma falta de profissionais na área de ilustração, que apresentem qualidade, que agreguem valor e que trabalhem por um preço justo. Quando digo “profissional”, não quero me referir à formação em um nível superior – que também é importante -, mas sim ao empenho, à persistência, ao foco e à vontade de superação constantes, que são, sem dúvida, muito mais importantes que um diploma.

Você chegou a fazer algum curso de desenho/ilustração pois sua formação é de designer gráfica?

Não, sou ilustradora auto-didata. Em 2006 me formei em Design Gráfico pela Belas Artes/SP, o que me proporcionou uma visão macro acerca dos inúmeros caminhos da comunicação visual, através do aprendizado teórico e também mais “técnico” na área de criação.

Ilustração de Anna Anjos

Ilustração de Anna Anjos

Hoje, você tem clientes como Ambev, Coca-Cola, Unibanco e Sadia. No início, você chegou a bater na porta das agências para mostrar seu trabalho ou foram elas que a procuraram?

Quando se é recém-formado o primeiro contato com as agências geralmente parte do próprio graduado, uma vez que este ainda não tem tanta experiência no mercado e, dessa maneira, ainda não alcançou certa visibilidade. Comigo não foi diferente: quando me formei busquei trabalho em algumas agências e estúdios como designer. Mas não estava satisfeita, pois sentia a necessidade de me desenvolver mais (artisticamente falando), onde pudesse atuar também como ilustradora. Percebi que isso só poderia acontecer se eu me tornasse freelancer, onde eu teria a liberdade para trilhar meu próprio caminho. Desde então é o que venho fazendo.

O que você falaria para aqueles que estão começando a trabalhar com ilustração e quais os conselhos e experiências passaria?

A área de ilustração não é fácil (nenhuma o é!), ainda mais quando se está iniciando a vida profissional. Acredito que o mais importante de tudo nessa vida é amar de verdade o que se faz, é ter vontade de aprender cada vez mais, se superar. O Guia do Ilustrador é sem dúvida uma excelente referência para quem quer iniciar na carreira. Além disso, há três “regrinhas” que considero fundamentais:

  1. Não espere que o trabalho bata à sua porta. Vá a procura, busque, informe-se.
  2. Crie um portfolio bacana em versão digital, onde o cliente possa ter acesso ao seus trabalhos mais recentes.
  3. Determinação e segurança são pontos muito importantes: saiba onde quer chegar e acredite sempre em você.
Gostei! 1

matérias relacionadas

Entrevista exclusiva com David Iglesias, ilustrador das embalagens globais do Burger King
Corte e cola tipográfico
Creative License #64 – Entrevista casual

sobre o autor

thiago mano
Formado em Desenho Industrial pela Faculdade da Cidade/RJ desde 2005. Trabalhou nas agências Tecnopop e Tátil Design, contando no seu portfolio com trabalhos da TIM, NET, Duloren, Femmina, P&G, Shell e Bradesco. Hoje faz parte da equipe criativa da agência Conception. Gosta de fazer ilustração em Pixel Art, fotografia e viajar.

  • http://www.mochilasobrerodas.com.br Igor, o último carioca nerd

    Muito boa a entrevista.
    Por acaso ela foi uma das artistas que desenhou uma edição do Zune da Microsoft? Me lembro de uma edição especial com ilustrações de vários artistas e estúdios do mundo e um dos trabalhos me lembrava muito o da Anna.

    Parabéns a ela e a vocês da revista design, as matérias estão cada vez melhores.

  • ana cristina jávera giannini

    Anna,

    Sou filha do Tio Geraldo Jávera, irmão da sua avó, Celina. Soube pela minha sobrinha Sandrinha que vc. tinha este site e me interessei. estou encantada com seu trabalho e profissionalismo, com tão pouca idade.
    escreva para mantermos contato. gostaria de ir a uma exposição de seus trabalhos, um abraço. Cris,



recomendamos

eBoy Hello

512 páginas

Editora Te Neues Publishing Company, 2002
Inglês

sites recentes

Volta Ferrorama
Promocional
Paul Frank
Promocional
Pilot Handwriting
Tipografia
 
 
 

debate atual

Criação vs Produtividade

matérias randômicas

Colagem animal
Futebol vintage
Nova identidade visual do canal GNT: evolução que acompanha seu público
What is Brand Anyways?
A magia da dupla exposição

flickr

www.flickr.com/de2ign

arquivo

creative license

Tirinhas exclusivas de N.C. Winters, traduzidas para o português.
Creative License #66 – Despedida Final

enquete

  • Desculpe, não há nenhuma enquete ativa neste momento.

feedback

Você tem alguma idéia ou sugestão
para melhorar nosso site? Nós queremos ouvi-lo! Queremos que a De2ign seja, cada vez mais, do seu jeito e com a sua cara!

newsletter

Assine a newsletter e receba nossas matérias por e-mail. É mole ou quer mais?

twitter

Ó nós aqui no Twitter...